Pescar é enfrentar saudáveis desafios, é fazer amizades, é conhecer novos lugares e abrir novos horizontes. É conviver com a natureza. É ser companheiro.

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

CIGUATERA - Um dos poderosos venenos do mar

Ciguatera, um envenenamento pouco conhecido pela maioria dos pescadores, excepto dos praticantes do Big Game, que a conhecem bem - daí o facto de quase nunca consumirem, em termos gastronómicos, a barracuda, por exemplo. É considerado uma das formas mais graves de envenenamento provocado pela ingestão de peixe. É impossível saber, antes de o consumir, se o peixe está ou não envenenado, excepto através de análises laboratoriais - tem de se comer para se ter a certeza mas....nem sempre. A cadeia começa com a microalga que produz a ciguatoxina, que é consumida directamente por peixes herbívoros e omnívoros e espécies de invertebrados que se alimentam de algas, que por sua vez são comidos por peixes carnívoros. À medida que se sobe na cadeia alimentar também a quantidade de toxinas vai aumentando, porque se mantém no organismo do hospedeiro - como os predadores estão no topo da cadeia, a quantidade de toxinas é enorme.







As espécies mais frequentemente contaminadas com a ciguatera são os dourados, xaréus, barracudas, pargos e os tunídeos, bem como as salemas se, como espécie essencialmente herbívora, se alimentarem numa zona de algas contaminadas. A maior parte dos predadores são potenciais contaminados, principalmente se a sua alimentação for procurada em zonas de algas tóxicas, já que se alimentam de peixes mais pequenos que, por sua vez, consumiram algas.

Imagem: www.southtexascollege.edu












O envenenamento, em pessoas saudáveis, raramente ultrapassa sintomas que tendem a desaparecer rapidamente após algum desconforto. Só em casos mais graves, felizmente muito raros, é que se torna necessário proceder a lavagens ao estômago, à ingestão de carvão activado, de anti-histamínicos ou outras medidas adequadas, em meio hospitalar. Mas, e vá lá saber-se porquê, há pessoas completamente imunes a este tipo de envenenamento - e, em contrapartida, há pessoas com grande hipersensibilidade ao mesmo. As pessoas que sentem algum desconforto quando comem marisco, moluscos bivalves, crustáceos ou gastrópodes, são muito mais susceptíveis ao envenenamento por ciguatera.

Os primeiros sintomas do envenenamento vão desde uma leve sensação de formigueiro ou comichão na boca até à paralisia muscular, tudo isto nas primeiras doze horas após a ingestão do peixe envenenado. Estes sintomas costumam aparecer geralmente entre alguns minutos e algumas horas após a ingestão. Os sintomas neurológicos mais comuns são sensações alternadas de calor e frio e de formigueiro (boca, face, mãos e pés), tonturas, náuseas, sabor metálico na boca, dores musculares e nas extremidades e articulações. Apesar dos sintomas neurológicos serem mais severos nos primeiros seis a dez dias, algumas vítimas podem sofrer os sintomas por períodos prolongados, mesmo durante meses ou anos.

Os casos muito graves de envenenamento podem provocar o coma ou mesmo a morte.

1 comentário:

hector200 disse...

excelente informacion, muy buen blog saludos desde mexico.